Docência: reflexões sobre o pathos estruturante






A educação, institucionalizada nas escolas, tem sido instrumento social lapidado por interesses das classes dominantes na reprodução das relações de produção típicas da sociedade capitalista. O projeto contemporâneo de escola constituiu-se sob a fórmula de aparelho ideológico do estado (Althusser, 1992), aprisionamento de liberdades (Illitch, 1985) e canalização da libido (Jung, 1971/ [2007]). A partir da necessidade de compreender a razão pela qual o adoecimento psíquico é considerado uma epidemia dentre os professores na Educação Básica, utilizamos a “Psicodinâmica do Trabalho” com objetivo de: caracterizar o contexto e o sentido atribuído ao trabalho docente; identificar as formas de mobilização subjetiva vivenciadas; analisar as vivências de sofrimento criativo e patogênico; e,  problematizar estratégias defensivas vigentes na interação entre trabalho prescrito e real.

            A metodologia empregada consistiu no estudo de 100 sujeitos, de ambos os sexos (87 mulheres e 13 homens), com idade entre 30 e 65 anos, professores da rede pública de ensino no município de Macaé, por meio de entrevista estruturada, em estudo preliminar desenvolvido no projeto de extensão Pesquisa e Intervenção em Arte, Trabalho e Ações Coletivas, do Instituto de Psicologia da UFRJ. Abordar-se-á questões do sujeito no trabalho, que permeiam sua atividade profissional junto a precarização do trabalho docente, sistemas de avaliação meritocráticos e a própria estrutura inerente a relação professor-aluno-saberes.

            Por meio das entrevistas identificou-se as principais atividades do trabalho docente (fomento ao conhecimento e orientação de comportamento), às dificuldades (descontinuidade das políticas públicas, precariedade rede pública, desvalorização do trabalho docente, dificuldade em conciliar as demandas da comunidade escolar, dos alunos e das chefias). As condições descritas mobilizam os sentimentos de insatisfação, de frustração e de não reconhecimento, incitando angústias e a repulsa por permanecer na profissão. A importância do trabalho é reconhecida pela necessidade de sustento e possibilidade de participação em movimentos sindicais.

            A canalização da libido é o processo de conversão e transformação da energia instintiva em símbolos, ou seja, há interação entre Eros e Pathos. Esse processo presupõem a domesticação dos desejos. Sendo Eros o território das paixões como disposições patológicas estruturantes, o objeto de amor representa o pathos estruturante aos quais o sujeito busca relacionar-se por amor e sofrimento. A análise dos discursos propiciou a compreensão do porquê o trabalho docente ora é patogênico, ora é estruturante. O sofrimento no trabalho pode encaminhar o sujeito para diferentes destinos, logo tende-se a postular que o sofrimento é inerente e promove conflitos entre o prescrito e o real em meio a mobilizações subjetivas e estratégias defensivas no anseio por instituir o sentidos simbólicos ao trabalho.

             Mobilizando-se ou estagnando-se os professores permanecem experienciando o trabalho estruturante e patologizante. E, este estudo pretende contribuir para desestigmatizar as críticas ao trabalho docente ciente de que vivemos uma servidão untraliberal que tem produzido desestruturações severas no sujeitos.

Palavras Chave: Psicodinâmica do Trabalho, Docência, Educação Básica pública.

Referências
ALTHUSSER, Louis. Aparelhos Ideológicos de Estado. Rio de Janeiro: Edição Graal, 1985.
DEJOURS, Christophe. A Banalização da Injustiça Social. 7ªedição. Rio de Janeiro: FGV, 2006.
______. Addendum: da psicopatologia a psicodinâmica do trabalho. In: Lancman, S., Sznelwar, L. (Orgs). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Brasília: Paralelo 15. 2011.
GADOTTI, Moacir. [1981] Concecpção Dialética da Educação: um estudo introdutório. São Paulo: Cortez, 2012.
ILLIITCH,1985
JUNG, Carl G. [1971]. A Energia Psíquica. Petrópolis: Vozes, 2007.
MÉSZÁROS, Istvan. A Educação para Além do Capital. São Paulo: Boitempo, 2008.
OUTEIRAL, José. Autoridade e Mal-estar do Educador. São Paulo: Zagodoni, 2011.
SANTOS, Milton. Por uma outra Globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2001.
SELIGMANN-SILVA, Edith. Trabalho e Desgaste Mental: o direito de ser dono de si mesmo. São Paulo: Cortez, 2011.

VIEIRA, F; MENDES, A.M.; MERLO, A.R.C. [orgs]. Dicionário Crítico de Gestão e Psicodinâmica do Trabalho. Biblioteca Juruá de Psicodinâmica e Clínica do Trabalho. Curitiba: Juruá, 2013.


Complementando... : Prazer e Dor na Docência

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fundamentos da Psicologia Analítica: Primeira Conferência

Dificuldades encontradas pelo professor em sua prática docente